Um novo estudo publicado no periódico científico Journal of Psychopharmacology mostrou que, apesar dos impactos negativos que o álcool tem no cérebro e para a saúde em longo-prazo, depois de beber as pessoas melhoram a pronúncia de um idioma não-nativo, tornando-as de certa forma mais fluentes.

O estudo

Para testar o efeito, pesquisadores da Universidade Maastricht, nos Países Baixos, acompanharam 50 alemães que haviam acabado de ingressar na instituição e que, pelo fato das aulas serem ministradas em holandês, haviam tirado certificados de proficiência no idioma. Além disso, todos os participantes disseram ter o costume de beber esporadicamente.

Cada um passou por uma entrevista de dois minutos com um avaliador holandês, mas antes da conversa metade dos participantes tomou um drinque — em média, um copo de cerveja. Enquanto isso, a outra metade ingeriu apenas água.

As conversas foram gravadas e avaliadas por duas pessoas que dominavam o idioma, que não sabiam quem havia consumido álcool ou não. Os participantes alemães também foram perguntados sobre suas próprias performances, o que eles achavam de sua pronúncia no momento e o quão confiantes eles se sentiram ao falar.

Confiança líquida?

Surpreendentemente, o álcool não teve muita influência na forma como as pessoas se avaliaram. Aqueles que consumiram a bebida não se sentiram mais confiantes ou satisfeita do que as outras, que beberam água.

No entanto, seus resultados foram, de fato, melhores. Em geral, os avaliadores consideraram o grupo que havia ingerido bebidas alcoólicas mais fluentes e, mais especificamente, com uma melhor pronúncia do idioma. Já em relação à argumentação, gramática e ao vocabulário os resultados foram similares.

Embora o estudo não tenha avaliado os aspectos psicológico e emocional, é possível que o álcool reduza a ansiedade da fala, melhorando a performance do discurso. Mas é importante ressaltar que as doses utilizadas no estudo foram baixas e que o consumo em excesso pode não garantir o mesmo efeito. Pelo contrário, segundo os pesquisadores, beber demais pode conferir o exato oposto.

Controvérsias

Pelo fato de os voluntários saberem que estavam consumindo álcool, não há como saber se o discurso foi melhorado devido a fatores biológicos ou psicológicos. Estudos anteriores já mostraram que pessoas que acreditam estar bebendo, mas não estão, têm experiências semelhantes aos que haviam bebido.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here